Arquivo da categoria: Notícias

Cumbre climática: no conviertan a los campesinos en traficantes de carbono

post_via
Boletín de prensa La Vía Campesina | GRAIN | Grupo ETC
7 de noviembre, 2013. Los campesinos y campesinas producen alimentos, no carbono. No obstante, si se salen con la suya algunos de los grupos de cabildeo de las corporaciones y los gobiernos que negocian en la conferencia de cambio climático que se llevará a cabo en Varsovia entre el 11 y el 22 de noviembre, la tierra de cultivo podría ser considerada como sumidero de carbono que las corporaciones contaminantes pueden comprar para compensar sus dañinas emisiones.

“Nos oponemos directamente al enfoque asumido por el mercado de carbono para lidiar con la crisis climática”, dice Josie Riffaud, de la Vía Campesina. “Hacer sumideros de carbono de los campos de cultivo de nuestros campesinos —cuyos derechos pueden venderse en el mercado de carbono— únicamente nos alejará aún más de lo que para nosotros es la solución real: soberanía alimentaria. ¡El carbono de nuestras tierras de cultivo no se vende! “

El comercio de carbono no ha podido resolver las causas reales de la crisis climática. Nunca quiso hacerlo. Más que reducir las emisiones de carbono directamente donde se producen, ha creado un lucrativo mercado para los contaminantes y los especuladores que pueden comprar y vender créditos de carbono mientras continúan contaminando. Ahora, está aumentando la presión para imponer la visión de que las tierras de labranza son importantes sumideros de carbono y que son un contrapeso más para las emisiones industriales. Hace tiempo que los gobiernos de Estados Unidos y Australia, el Banco Mundial y el sector corporativo argumentan en favor de esta jugada, y en favor de crear nuevos mercados de carbono donde se puedan adquirir compensaciones a partir de tierras en los países en desarrollo. Los agronegocios están bien posicionados para lucrar de éstas, y algunos gobiernos de tales países confían en que ofreciendo sus bosques, sus pastizales y sus tierras de cultivo a los contaminantes del Norte, podrán recibir dividendos.

La Convención Marco de Naciones Unidas sobre Cambio Climático (UNFCCC por sus siglas en inglés) que ocurrirá en noviembre en Varsovia, entraña el riesgo de hundirnos más en el desbarajuste de este mercado de carbono. Marcin Korolec, ministro polaco del Ambiente y principal organizador del evento, anunció orgullosamente que por primera vez en la historia los representantes de los negocios a nivel global serán parte formal de las negociaciones. Una mirada a la lista de asociados oficiales de la conferencia muestra que entre ellos se encuentran las industrias más contaminantes del mundo.

La agricultura es una de las actividades que más contribuyen al cambio climático, pero Henk Hobbelink, de GRAIN, señala que: “El principal responsable de la crisis climática es el sistema agroalimentario industrial —por su enorme utilización de insumos químicos, su erosión del suelo y la deforestación que acompaña la agricultura de plantación en monocultivo, más el siempre creciente empuje por abastecer los lejanos mercados de exportación. En lugar de promover los mercados de carbono, los líderes mundiales deberían apoyar las soluciones que surgen de la agricultura campesina y la agroecología”. Las investigaciones de GRAIN muestran que mantener prácticas agroecológicas de base campesina con el fin de restaurarle materia orgánica a los suelos podría capturar entre 24 y 30% de las emisiones de gases con efecto de invernadero actuales.

Una semana después de que los negociadores en la conferencia de Varsovia regresen a sus casas, muy probablemente sin haber acordado alguna acción significativa respecto de la crisis climática, el Banco Mundial y los gobierno de Holanda y Sudáfrica coincidirán en una conferencia internacional en Johannesburgo para promover una agricultura con “astucia climática”, y establecerán una nueva alianza para lograrla.

Pero una mirada a las propuestas en la mesa muestra que únicamente significan proseguir con los negocios como siempre: nuevas semillas genéticamente modificadas desarrolladas por las corporaciones de biotecnología, más fertilizantes y plaguicidas químicos producidos por los gigantes de la agroquímica, y más cultivos industriales “biointensivos”. “La agricultura con astucia climática se ha convertido en el nuevo lema del establishment de la investigación agrícola y del sector corporativo, con el fin de posicionarse como la solución para las crisis alimentaria y climática”, dice Pat Mooney, del Grupo ETC. Para los campesinos del mundo, no hay nada inteligente en esta agricultura. Es sólo otra forma de promover las tecnologías que controlan las corporaciones para que invadan sus parcelas y los despojen de sus tierras”.

Al mismo tiempo, esas corporaciones están desarrollando otras tecnologías de alto riesgo, que van de la biología sintética a la nanotecnología y la biología sintética. Sus impactos no se comprenden con claridad y son tecnologías que podrían descontrolar aún más nuestro ya frágil planeta en vez de remediar el clima y las crisis ambientales.

Debe defenderse el papel central de la agricultura, que es alimentar a la gente y brindar medios de sustento a los agricultores en el mundo, insiste Elizabeth Mpofu de Vía Campesina. “Los derechos sobre nuestras parcelas, territorios, semillas y recursos naturales deben permanecer en nuestras manos para que seamos capaces de producir alimentos y cuidar de nuestra Madre Tierra como hemos hecho por siglos los campesinos. No permitiremos que los mercados de carbono conviertan nuestro arduo trabajo en sumideros de carbono para que los contaminadores del mundo sigan con sus negocios como si nada”.

Para mayor información

Josie Riffaud, La Vía Campesina
+33613105291
josieriffaud@yahoo.fr

Henk Hobbelink, GRAIN
+34 933011381
henk@grain.org

Pat Mooney, ETC Group
+1 6132412267
mooney@etcgroup.org

Anúncios
Etiquetado ,

Carta da II Plenária da Articulação Popular São Francisco Vivo

A gente entende do São Francisco. Nós, 43 representantes dos Povos das Terras e das Águas do Velho Chico, passamos três dias reafirmando isso. Viemos das beiras dos rios dos cerrados, caatingas e veredas, das ilhas e barrancas, da roça e da cidade. Das Minas Gerais e da Bahia, de Pernambuco, de Sergipe e de Alagoas. Realizamos a II Plenária da Articulação Popular São Francisco Vivo, em Feira de Santana, na Bahia, de 27 a 29 de setembro de 2013.  A memória saudosa do fotógrafo João Zinclar e do líder quilombola Elson Ribeiro Borges nos animou ao compromisso fiel.

Continuar lendo

EM DEFESSA DO PAA

Carta Aberta ao Governo e à Sociedade Brasileira sobre o Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) e a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab)

O Brasil tem realizado, nos últimos anos, avanços significativos na promoção da segurança alimentar e nutricional (SAN) e na realização do direito humano à alimentação, com a superação da situação de pobreza e miséria de milhões de famílias e o fortalecimento da agricultura familiar.

O Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) tem sido fundamental para a concretização destes avanços. O programa, que envolve vários ministérios, visa garantir a oferta de alimentos da agricultura familiar para grupos sociais em situação de insegurança alimentar, fortalecendo a agricultura familiar, povos e comunidades tradicionais, e garantindo o acesso a alimentos de qualidade para as pessoas mais pobres.

Graças ao seu sucesso no Brasil, comprovado por muitos estudos independentes e por muitos documentos de organizações beneficiárias, o PAA é reconhecido internacionalmente, e é referência para diversos programas similares em outros países, da América Latina e da África. Atualmente o programa adquire alimentos de mais de 185 mil agricultores familiares, beneficiando 19.681 entidades recebedoras dos alimentos, com a distribuição de 529 mil toneladas de alimentos por ano. O PAA já beneficiou, ao longo dos seus 10 anos, 2.352 municípios em todos os estados do Brasil. A Companhia Nacional de Abastecimento (CONAB), através da Diretoria de Política Agrícola e Informações, dirigida por Silvio Porto, tem cumprido papel determinante na efetivação do programa.

Recentemente a Polícia Federal deflagrou a operação denominada de “agrofantasma”, que investiga supostas irregularidades e desvios de recursos no programa. Tal operação chamou a atenção pelo aparato policial utilizado e pela repercussão desproporcional do fato nos meios de comunicação. Tal operação resultou na detenção de 10 agricultores e do funcionário da Conab no Paraná, Valmor Bordin, bem como no indiciamento policial do Diretor de Política Agrícola e Informações da Conab, Silvio Porto.

Os movimentos sociais e organizações da sociedade civil aqui representados repudiam os procedimentos utilizados, bem como a forma distorcida e pouco clara que as informações sobre a operação foram divulgadas por grande parte dos meios de comunicação. Vale destacar que mesmo o processo correndo em sigilo, alguns meios de comunicação contavam com informações privilegiadas no dia da realização da operação policial. Os procedimentos da operação policial e sua divulgação contribuem para criminalizar as organizações da agricultura familiar e deslocam a atenção da sociedade da necessária apuração de irregularidades na execução do programa para um tratamento meramente policial de um programa fundamental para a realização do direito humano à alimentação. É importante salientar que estes mesmos canais de comunicação divulgam muito pouco ou quase nada os resultados positivos do programa em todas as regiões do Brasil.

O PAA é implementado há 10 anos, ao longo dos quais foram criados e aprimorados mecanismos de gestão e controle social do programa. Sua execução é acompanhada por centenas de conselhos municipais e estaduais de segurança alimentar e nutricional, assistência social e desenvolvimento rural. A busca pela transparência e pela responsabilidade no trato do recurso público tem sido permanente nos espaços de gestão e acompanhamento do programa, seja no seu Grupo Gestor, Comitê Consultivo, ou no Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional (Consea). Este aprimoramento tem se orientado pela transparência e pela busca da adequação de seus procedimentos à realidade da agricultura familiar e povos e comunidades tradicionais, segmentos da população que, embora responsáveis pela maior parte dos alimentos consumidos pela população brasileira, foram historicamente excluídos das políticas agrícolas.

Defendemos a apuração de toda e qualquer irregularidade, da mesma forma que defendemos o amplo direito à defesa das pessoas que se encontram detidas e indiciadas. Manifestamos nosso repúdio à forma como a ação policial foi realizada, efetivando detenções de

agricultores e funcionários da Conab que vinham colaborando com as investigações.

Os movimentos sociais e as organizações aqui representadas reafirmam a relevância do Programa de Aquisição de Alimentos e exigem sua continuidade e ampliação, nos marcos que vem sendo discutidos em suas instâncias de gestão e controle social. Reafirmamos a importância da Conab como órgão executor do PAA e o nosso reconhecimento e plena confiança no seu Diretor de Política Agrícola e Informações, Silvio Porto, gestor público reconhecido pela sua ética e retidão no exercício da função pública e dotado de uma história de vida pública na área do abastecimento e segurança alimentar e nutricional que lhe confere idoneidade e capacidade técnica e gerencial para a implementação e gestão do PAA. Repudiamos as tentativas de “linchamento” político dos gestores públicos da Conab e de lideranças de organizações beneficiárias.

Assinam:

AARJ – Articulação de Agroecologia do Rio de Janeiro

ABRA – Associação Brasileira de Reforma Agrária

ACTIONAID Brasil

ANA – Articulação Nacional de Agroecologia

ANA – Amazônia

ANC – Associação de Agricultura Natural de Campinas e Região

AOPA – Associação para o Desenvolvimento da Agroecologia

APTA – Associação de Programas em Tecnologias Alternativas

ASA – Articulação Semiárido Brasileiro

AS-PTA – Agricultura Familiar e Agroecologia

ASSOCIAÇÃO AGROECOLÓGICA TIJUPÁ

CÁRITAS Brasileira

CAA – Centro de Agricultura Alternativa do Norte de MG

CENTRO ECOLÓGICO

CONAQ – Coordenação Nacional de Articulação das Comunidades Negras Rurais Quilombolas (Conaq)

CONTAG – Confederação Nacional dos Trabalhadores e Trabalhadores na Agricultura

CNS – Conselho Nacional das Populações Extrativistas

CPT – Comissão Pastoral da Terra

ECONATIVA – Cooperativa Regional de Produtores Ecologistas do Litoral Norte

do RS e Sul de SC

FASE – Federação de Órgãos para a Assistência Social e Educacional

FBSSAN – Fórum Brasileiro de Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional

FEAB – Federação dos Estudantes de Agronomia do Brasil

FESANS-RS – Fórum Estadual de Segurança Alimentar e Nutricional Sustentável do Rio Grande do Sul

FETRAF – Federação Nacional dos Trabalhadores e Trabalhadoras na Agricultura Familiar

Fórum de Segurança Alimentar e Nutricional do Paraná

FOSAN-ES – Fórum de Segurança Alimentar e Nutricional do Espírito Santo

GESAN – Grupo de Estudos em Segurança Alimentar e Nutricional

IBASE – Instituto Brasileiro de Análises Sociais e Econômicas

MAB – Movimento dos Atingidos por Barragens

MCP – Movimento Camponês Popular

MMC – Movimento de Mulheres Camponesas

MPA – Movimento dos Pequenos Agricultores

MST – Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra

PESACRE – Grupo de Pesquisa e Extensão em Sistemas Agroflorestais do Acre

Rede de Mulheres Negras pela Segurança Alimentar e Nutricional

REDE ECOVIDA DE AGROECOLOGIA

SASOP – Serviço de Assessoria às Organizações Populares Rurais

UNICAFES – União Nacional de Cooperativas da Agricultura Familiar e Economia Solidária

VIA CAMPESINA

Etiquetado , ,

Enconttra realiza seminário interno

O Coletivo de Estudos sobre Conflitos pelo Território e pela Terra – ENCONTTRA, realiza nesta semana, do dia 29 de setembro a 02 de agosto o seu Seminário Interno de Pesquisa. Objetivando a contribuição mútua entre os participantes, o seminário contou com a apresentação dos projetos de pesquisa dos integrantes do grupo e a socialização das temáticas de estudo individuais. Além disso, no evento também foram realizadas diversas oficinas sobre dinâmicas, aplicadas pelo prof. Jorge Fávaro.

seminario interno

Curso de Extensão mobiliza comunidades tradicionais do Paraná e Santa Catarina

Nos dias 27 e 28 de junho o Câmpus Paranaguá ofertou às comunidades tradicionais e à população urbana do Bairro Porto Seguro o I Curso de Extensão em Cartografia Social. Participaram cerca de 40 representantes de comunidades Indígenas pertencentes a diversas etnias: Guarani – Mbya, Nhandeva, Awa-Guarani – Kaingang, Xocleng, pescadores e pescadoras artesanais do litoral do Paraná e comunidades Faxinalenses.

Além desse grupo tivemos a presença e colaboração de 3 representantes do Bairro Porto Seguro, comunidade urbana vizinha ao Câmpus, marcada por inúmeros conflitos sociais e ambientais próprios do modelo desordenado e socialmente desigual que impera em cidades que concentram enclaves econômicos, no referido caso, o Porto de Paranaguá.

O curso foi promovido pela ação conjunta entre as áreas de Ciências Naturais e Humanas do Câmpus e contou com a colaboração de diversos professores, bolsistas e pesquisadores em cartografia social que atuam no Sul do Brasil. De modo geral o objetivo pretendeu dar ensejo a autocartografia das comunidades locais em seus processos sociais de organização, conflitos, demandas, resistência e lutas na perspectiva de seus direitos sociais e territoriais. Para tanto, o curso foi organizado em oficinas de tecnologias de informação que pret

As atividades mencionadas servirão às comunidades que desejem desenvolver essas ferramentas com objetivo de auto-afirmação identitária, reforma urbana, uso dos recursos naturais e delimitação de seus territórios de pertencimento.endiam a capacitação em produção autocartográfica através da aprendizagem no uso de GPS, Gravador de Voz e Fotografia Digital, bem como a utilização dessas informações na produção de mapas situacionais referidas às realidades específicas de cada identidade coletiva.

 Post Original: http://paranagua.ifpr.edu.br/2013/07/08/curso-de-extensao-mobiliza-comunidades-tradicionais-do-parana-e-santa-catarina/

Justiça determina paralisação imediata de obras do Comperj

Douglas Corrêa
Repórter da Agência Brasil

Rio de Janeiro – A Petrobras informou, em nota, agora no final da noite, que uma decisão da Justiça determinou a suspensão imediata das obras no Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj), anulando as licenças ambientais emitidas pelo órgão ambiental estadual. A nota da estyatal informa em apenas duas linhas a decisão da Justiça.

“A Petrobras informa, que foi intimada, no início da noite de hoje (14) de sentença que anula as licenças ambientais emitidas pelo órgão ambiental estadual [Instituto Estadual do Ambiente – Inea] para as obras do Comperj, implicando em paralisação imediata das obras. A Petrobras informa ainda que está avaliando as medidas cabíveis”.

Leilão do petróleo: muitos motivos para questionar

http://www.fase.org.br/v2/pagina.php?id=3856

Lívia Duarte, jornalista da FASE – Solidariedade e Educação

Diante da 11ª rodada dos leilões do petróleo, a sociedade tem elementos para questionar se há mais valor no que vai vivo sobre a terra ou na matéria orgânica morta há milhares de anos, depositada no subsolo. O tema foi parte do debate realizado nos dias 9 e 10 de maio em encontro sobre a exploração do petróleo no Brasil, que reuniu membros da sociedade civil – ONGs, sindicatos de petroleiros e suas duas federações, além de atingidos pelas atividades da indústria em diversas regiões do Brasil. Os relatos repetem cenários de expropriação da terra e da água e de territórios marítimos, já que os pescadores têm sido impedidos de trabalhar pelo aumento de plataformas e consequente área de exclusão, além dos impactos da poluição, seja por vazamentos ou dragagens. Já os petroleiros questionam a inequalidade de direitos entre trabalhadores da Petrobras, de empresas privadas e terceirizados, além do crescimento exponencial aos riscos de acidentes. A sobreposição – de empresas, cadeias logísticas e impactos – é outra constante.

Apesar das distintas visões sobre a questão – que vão do nacionalismo da campanha O Petróleo Tem que ser Nosso! ao clamor por Nenhum poço a mais! – o debate entre estes setores da sociedade civil aponta para algum nível de compreensão comum. É preciso mudar o modo e a velocidade da indústria petrolífera estrangeira – e brasileira -, considerando o estratégico debate sobre fontes de energia no contexto dos motivos para o aumento da produção, a diversidade de tipos de fontes possíveis e quem são os reais beneficiados pelos investimentos feitos nesta área. Os grupos também concluíram que é preciso criar territórios livres da atividade petroleira, como afirma a carta Contra o 11º leilão e seus impactos socioambientais nos territórios.

[“Todos somos afetados onde não há correlação entre o crescimento econômico e o bem da maioria”, leia entrevista com Sergio Calundungo,  da Ajuda da Igreja Norueguesa, sobre o petróleo no país dele, que participou do encontro no Rio]

Continuar lendo

Para cortarle alas al golpismo hay que salir del extractivismo

Raúl Zibechi

modelo extractivoLa Jornada, Viernes 19 de abril de 2013

Esta semana quedó en evidencia la estrategia de la tensión y el caos que promueven las agencias estadunidenses para desestabilizar gobiernos. Si tomamos en cuenta las experiencias más recientes, incluyendo la primavera árabe, podemos concluir que los golpes de Estado son apenas uno de varios caminos posibles para desalojar gobiernos molestos. Ni el Pentágono ni la Casa Blanca apuestan por una sola estrategia para conseguir sus fines, sino que ponen en marcha un abanico de acciones convergentes y complementarias.


La crisis económica global y la necesaria contención de los gastos militares (al parecer el Comando Sur vio su presupuesto reducido en 26 por ciento, pero puede haber partidas ocultas) otorgan prioridad al poder suave, o sea mecanismos no tan ostensibles como los tanques y los bombardeos de palacios de gobierno. Los medios de comunicación, la acción legal y la semilegal, incluyendo las masas en las calles, que siempre sirven para legitimar proyectos innombrables, son algunas de las herramientas en uso. Continuar lendo

Etiquetado , ,

Monografia sobre as PCH’s no Rio Iratim (Paraná)

(Iratim Urgente)

Monografia Ralph

Nesta segunda feira, 01/03/13, no Centro Politécnico da Universidade Federal do Paraná, Curitiba-PR, foi realizada apresentação do Trabalho de Conclusão de Curso com o título AS PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS DA BACIA DO RIO IRATIM E SEUS IMPACTOS SOCIOAMBIENTAIS: UMA REFLEXÃO SOBRE ELETROESTRATÉGIAS E ACUMULAÇÃO POR ESPOLIAÇÃO.

O trabalho, apresentado pelo ex-estagiário de geografia do Centro de Apoio Operacional às Promotorias de Proteção ao Meio Ambiente, do MPPR, Ralph de Medeiros Albuquerque,  recebeu nota 10 da banca.
O autor, recém aprovado em concurso do Ministério do Meio Ambiente, iniciou mestrado em Geografia na UnB, onde continuará a trabalhar com a questão das PCHs.
Albuquerque fez uma profunda e crítica análise sobre as estratégias do setor elétrico, tomando como caso concreto projetos de implantação de PCHs no rio Iratim (afluente da margem esquerda do rio Iguaçu, no sul do Estado) e ações do Ministério Público Estadual contra os empreendimentos.
O trabalho, sob a orientação do prof. Dr Jorge Montenegro, do Departamento de Geografia da UFPR, caracteriza-se como fruto concreto da necessária parceria entre a comunidade acadêmica e entidade de defesa de direitos (no caso, o Ministério Público Estadual), em benefício de comunidades e ambientes ameaçados por projetos hidrelétricos.
O objetivo é a breve publicação do texto, na forma de livro, assim que realizadas as adequações apontadas pela banca.
O Iratim, em cujas cabeceiras encontra-se o Parque Eólico de Palmas-PR e cuja foz se dá no reservatório da UHE de Salto Segredo, é palco da disputa entre os interesses privados de empreendedores e o interesse público primário na manutenção de um rio isento de barramentos, suas paisagens e ambientes associados e formas de vida tradicional da população da bacia.
O desenvolvimento de pesquisas de caráter científico em bacias hidrográficas ameaçadas por barragens permite defesa mais efetiva dos atributos naturais e culturais das mesmas.
O teor dos trabalhos estará, em breve, disponível na página do Pró Ivaí Piquiri no Facebook. Confira.
Viva os rios!
Etiquetado

Desigualdade infinita

*Clóvis Cavalcanti (Economista ecológico e pesquisador social)

Publicado no Diário de Pernambuco, 31/03/2013

Recentemente, foi lançado em Pernambuco, o Fórum Permanente de Discussões sobre o Complexo de Suape. À sua frente, a militante do movimento feminino do Cabo Nivete Azevedo e o professor da UFPE Hélio Scalambrini. Trata-se de iniciativa que ajuda a preencher o vazio na iniciativa do governo estadual, que já tem 4 décadas, de discussão com as partes interessadas (stakeholders) acerca da obra. Sobre isso, em abril de 1975, liderei um grupo de cientistas pernambucanos – Vasconcelos Sobrinho, Nelson Chaves, José Antonio Gonsalves de Mello, Renato Carneiro Campos (tio do governador Eduardo Campos), Renato Duarte e Roberto Martins – que contestava o projeto e pedia que ele fosse discutido. Expusemos isso em documento publicado num dia por semanário da época, o Jornal da Cidade e, no dia seguinte, pelos demais jornais recifenses. Nunca a sugestão foi ouvida. O resultado é visível.

Continuar lendo

Etiquetado , ,